Publicações


“Estou a pensar em todas as coisas que eles tem trancado para fora de mim … todas as coisas que eles roubaram de mim … todas as coisas que eles estão tentando me fazer esquecer … um sorriso , um olhar que não tropece em grades, uma noite que não termine com a fechadura… Eu paro de pensar … abro a minha mão… contemplo a grosa que estou segurando…. E agora eu sei… vamos. Mais uma vez…Nosso dia chegará.” CCF. FAI-FRI – Núcleo guerrilha urbana (Christos Tsakalos, Gerasimos Tsakalos, Giorgos Polydoros, Olga Okonomidou)

capa-nuestro-dia-llegara

Após um tempo de estar difundindo o material impresso, difundimos agora a versão digital e pra imprimir do livro Nosso Dia Chegará. Sobre a Tentativa de Fuga e a greve de fome da Conspiração das Células de Fogo.  As palavras dos compas da CCF são um sopro de força e combatividade das quais muitos de nós temos nos nutrido. Convidamos a sua difusão e leitura.

“Traduzimos o texto editado por Sin Banderas Ni Fronteras “Nuestro Dia llegará”, e apresentamos todxs os comunicados que surgiram ao longo da greve, algumas atualizações do caso, e os comunicados das ações que aconteceram neste território, controlado pelo estado brasileiro, em solidariedade com a greve de fome da Conspiração das Células de Fogo. Também incluímos no livro os comunicados que Aggeliki e Christos escreveram no começo do julgamento contra elxs, palavras dxs compas da CCF, de Spyros Mandylas, de Sin Fronteras Ni Banderas e as do site Kataklysma, todas elas especialmente enviadas para esta edição.

Temos aprendido bastante das reflexões e experiências dxs companheirxs da CCF, por isso nos parece importante hoje, traduzir suas palavras insurretas. Acreditamos que a tradução não se faz somente num aspecto “literal”, mas também, na capacidade de tornar entendível e “possível” experiências de luta armada anarquista neste território. Porque além de experiências vividas, estas linhas são um pedaço de uma trajetória anárquica, de uma coordenação internacional da qual nos sentimos parte. Se decidimos traduzir este livro é porque encaramos o diálogo com CCF e outros grupos de ação desde estas terras, como um desafio individual e coletivo. Neste sentido, as experiências de luta, os erros, as cagadas, as autocríticas assim como as ideias e projetualidades são pontos de encontros e fontes de reflexão para a intensificação do conflito anárquico.”

Conteúdo:
I. – Apresentação (5)
– Palavras de “Sin banderas, ni Fronteras” (10)
– Palavras do blog Kataklysma (15)
– Palavras da CCF-núcleo Guerrilha Urbana (17)
– Palavras da CCF (23)
– Palavras de Spyros Mandylas (25)
-Palavras de Aggeliki Spyropoulou (28)
– Prólogo. Porque a terra do cativeiro não é para nós. Conspiração das Células de Fogo (31)
II. Descobre-se o plano de fuga da Conspiração das Células de Fogo (37)
III. Xs compas declaram-se em greve de fome (65)
IV. Solidariedade na Grécia (130)
V. Solidariedade no território controlado pelo estado brasileiro (146)
VI. Palavras finais: Para que todos os meses sejam Negros… (167)

Links de descarga
Livro:
https://mega.nz/#!WdpGQI7I!PlRE0UMkNYUQvmdmiDXSKBtBN1tc035Iia0eKwhPGA0
Capa:
https://mega.nz/#!iVYzzCwR!vd0jGYDYoxPeHBfCdLZ-tiZ7ltTdXrD3Yfm_sCT_vFg

Recebimos no email

“Enquanto os leões não tiverem seus próprios cronistas, as histórias de caça continuaram glorificando no caçador”.

capa-s-e-v

Pomos a disposição, convidando a sua difusão, o livro “Sacco e Vanzetti. A vigência da solidariedade anarquista: das jornadas dos anos 20 à agitação permanente pelos/as anarquistas sequestrados/as hoje”, apresentado na atividade em memória de Sacco e Vanzetti e pela semana de agitação pelxs anarquistas presxs da Biblioteca Kaos.

Trata-se duma publicação feita por companheirxs, sobre companheirxs. Nela se apresentam textos traduzidos, recuperados e narrados, desde a vontade de reivindicar uma memória apagada pelos ânimos de pacificidade e de negação: a história da rebeldia e do ataque da qual foram parte Sacco e Vanzetti. Também estão incluídas as cartas enviadas pelos companheiros da CCF, Núcleo Guerrilha Urbana (Giorgos, Olga, Gerasimos e Christos) e CCF (Panagiotis, Michalis, Giorgos, Haris, Theofilos e Damiano) assim como a carta da companheira Tato do Chile, enviadas todas elas para o evento.

“Temos claro que esta publicação não se situa na prateleira dos livros de história simplesmente. É certo que destas agitações nos anos 20 de solidariedade e ação pela libertação de Sacco e Vanzetti um sem fim de lições podem ser tomadas como o claro papel da polícia, da justiça, leis, tribunais e juízes.

Ontem como hoje não são poucos/as companheiros/as que dedicam suas vidas a luta a ponta de faca, ao conflito aberto com o poder e suas lógicas, com a não conciliação com a autoridade e suas leis. Dentro da guerra social a prisão é uma realidade dura que hoje companheiros/as enfrentam com coerência, de cabeça em pé e em pé de guerra. Claudio Lavazza, Mônica Caballero, Francisco Solar, Marcos Camenish, Nicola Gai, Alfredo Cospito, Ilya Romanov, os irmãos Tsakalos e tantos/as outros/as indomáveis na Grécia, no Chile, no México …

Podemos dizer que esta publicação nasce deste chamado da vontade de manter viva uma memória de luta e coerência como a de Sacco e Vanzetti e com a viva vontade de acenar com um gesto solidário aos companheiros/as que enfrentam hoje o cativeiro.”.

Conteúdo:
– Olá
– Carta de Sacco e Vanzetti difundida nas agitações do 1º de Maio de 1923. Publicada em A Plebe
– Um olhar ao anarquismo autônomo e insurrecional na história dos Estados Unidos
– Nicola Sacco e Bartolomeu Vanzetti Memória e vigência da solidariedade ácrata
– Irreverência do tempo
– Alguns apontamentos sobre as agitações pela libertação dos anarquistas Sacco e Vanzetti em Porto Alegre e noutras cidades
– Cartas acenos e sopros

Link de descarga:
https://mega.nz/#!GIQQTZBB!ZyydOXnDfzk7_K1ynJ89MZYV85tLryvUhfOJDGVSJ6Y