Entramos incomodando e saímos provocando

A Biblioteca Anárquica Kaos comunica que esta sem espaço.

 

Como acontece com cada okupação, e ainda mais se está pela anarquia, o tempo é uma incerteza. Mas, isso não pode frear esforços e vontades que quebrem a normalidade urbana e cidadã. Já contrárixs ao sistema, dificilmente mediremos nosso passos com relógios ou acumulo de tempo. Já em contra da dominação, cada ataque ao sistema para nós é uma vitoria ganha, mas não aquela vitoria do ponto final na guerra. Cada ação feita, cada passo dado fora das celas ordeiras do comportamento normativo que impõe a vida moderna, cada fogo aceso, pedra atirada, regra quebrada, são pequenos triunfos. Cada vez que procuramos a anarquia e fazemos as coisas acontecer ganhamos um pouco da preciosa liberdade. Essas são nossas vitórias.

Entramos incomodando

Ao longo de pouco mais de dois meses okupamos uma casa pertencente à alta burguesia local e os incomodamos certamente. Suas constantes aparições, os esforços que tiveram que fazer para “limpar sua imagem” diante de uma vizinhança que sentia-se afetada pelo abandono do lugar, até o fato deles ter que sair de suas cômodas casas para ir constantemente a nos enxergar,  desacreditando que tínhamos tomado “sua” casa foram gratificantes formas de saber que estávamos incomodando aos poderosos de sempre, os donos da cidade faz séculos. E foi atrevido sim.

Rodeados pela Praça Matriz, uma delegacia, o palácio de governo, em pleno coração da materialidade do sistema estatal, okupamos uma propriedade histórica com a aberta confrontação anárquica de espalhar nossas idéias sem amaciá-las, as vezes rodeadxs e constantemente fotografadxs pelos puxa sacos dos donos, conspiramos no meio do monstro. E foi uma ousadia sim.

Sem esperar as melhores condições, sem buscar seguranças absolutas, procuramos o impossível e o fizemos acontecer.

Para quem duvide da força dxs individuos, há certamente um antes e um depois da Biblioteca Kaos na rua, no bairro e no entorno. Poucxs e loucxs, mudamos a paisagem do lugar em poucos dias, possibilitamos encontros, debates, conflitos e conspirações sem precisar cabeças nem estruturas verticais para espalhar revolta. E como um espaço anárquico não é o local mas as individualidades que fazem ele acontecer, cada umx dxs  que agimos nesse espaço, assim como todxs xs que nos fortaleceram chegando até lá, propiciamos essa transformação. A expansão disso tudo seguirá como a expansão das gotas que caem no charco da água, insondável, imponderável.

Saímos Provocando…

Quando apareceu o oficial de justiça para nos informar que tínhamos uma ordem de saída com intimação (o que quer dizer que ainda antes do processo de reintegração de posse nossa saída ia a ser forçadas pela brigada militar), o contexto estava dado e uma data marcada. Decidimos nos riscar alguns dias, ficando além da data, procurando sempre manter o mais valioso para nós. A informalidade.

Nos individualizar em sujeitxs diante do poder nunca foi nossa intenção e certamente também não foi nossa proposta entrar em processo jurídico nenhum. Não nos interessa a propriedade. Nesse contexto, decidimos dar um passo antes. Se não comunicamos nada sobre isto foi para manter o entusiasmo nos últimos encontros. Para ficar fortes e deixar acesa a brasa da vontade por ter um lugar de encontro. Para viver ao máximo o espaço.

Assim, fizemos de nossa saída uma festa. O ultimo evento foi uma vivencia convocada para a solidariedade que fez presentes compas de outras terras que foram despejadxs, compas que foram seqüestradxs. Foi um encontro de diversidade de pessoas que vivem diferentes formas de insubmissão e conflito contra a dominação e que sentiram a raiva de dizer vamos fazer alguma coisa, vamos sair, vamos tomar as ruas.  A “perda” do espaço, era algo iminente desde que descobrimos o histórico de poder dos donos mas, não queriamos que as forças e os ânimos declinassem. Aliás, não perdemos nada, Um espaço de anarquia é o encontro de afinidades. Nossas vontades estão intatas e nos acompanharão nas seguintes ousadias.

Saímos furtivamente nessa mesma noite, logo depois do evento, mas sobretudo, saímos provocando a insubmissão e o conflito em palavra e ação.

Então esta saída não é uma derrota: é a conseqüência lógica de ter atingido o poder, é a clara demonstração de que incomodamos tanto que varias influências foram movimentadas para conseguir essa ordem judicial contra nós em tão pouco tempo.

A força do efêmero nos posicionou numa conflitividade e confronto que se espalhou rapidamente para varias individualidades e espaços. Sentimos assim cada encontro que tivemos e cada idéia, vontade e grito de raiva que saíram da Biblioteca. O tempo da anarquia não pode ser medido por um relógio, a intensidade rebelde do que aconteceu nesta aparição da Biblioteca Kaos é  inenarrável.

Nossa proposta de okupa em conflito foi uma determinação que culminou em provocações que sabemos tiveram ações como resposta.

Atiramos uma flecha no coração do sistema… e gritamos vitoria na guerra!

 

Nosso salve para cada pessoa que participou e fez atividades, nos possibilitou acesso a elementos necessários para sobreviver e construir o espaço, que compartilhou com nós leituras e trocas de ideias incríveis, para aqueles que nos doaram livros e levaram outros em empréstimo, para aqueles que desde a distancia nos mandaram material ou palavras de força (desde vários pontos do mundo e em vários idiomas): foram lenha forte que aqueceu o ambiente e que iluminou as noites. E nosso abraço cúmplice aos espaços okupados no mundo: são um ataque insubmisso ao sistema!!!

 

Biblioteca Anarquica Kaos.

15 de maio 2017

 

 

Sábado 29 de abril

Vídeo debate: Introdução ao Black Block. 17:Hrs.

 

Segunda 1° de maio:

Os enfrentamentos de Haymarket e xs anarquistas insurreccionáis do 1° de maio de 1886.

 

Quinta 4 de maio:

Transpassares disidentes: Atravessamentos Anarquistas/Queer

 

Sábado 6 de maio:

Video debate:  Propaganda pelo fato.

 

Sábado 13 e domingo 14 de maio:

Tattoo combativa.  Atividade de tatuagem solidaria.

 

Horários da biblioteca:

Segundas e quintas das 2 da tarde ás 7 da noite

Sábados da 1 da tarde às 9 da noite.

” A partir da onda de perseguições e possíveis punições no Uruguai pelo despejo da Solidaria, várias questões nos agitaram. A necessidade de apoiar os compas e também a visão de estar sempre preparadxs para este tipo de acontecimentos.

Por isso xs convidamos ao evento. Tattoo Combativo. Solidariedade Entre Okupas. Neste evento alem de trocar idéias sobre anarquia e posições anticarcearias, poderemos nos tatuar e colaborar assim com a geração de uma caixa solidária antirepressiva, Acreditamos que é importante e urgente tanto mandar um apoio solidário aos compas que estão precisando de isso, e nossa resposta tem que ser imediata. Ao mesmo tempo, é importante estar sempre preparadoxs para este tipo de necessidades com antecipação.

Xs convidamos a ser parte de este evento e confirmar sua presença, também a marcar um horário e tatuador e se quiser agendar previamente, para os dias sábado 13 e domingo 14 de maio em que realizaremos o evento.

Estaremos com mais informação, contatos e as paginas dxs tatuadores em breve

Para fazer da solidariedade palavra e ação.

Biblioteca Kaos
contatos: biblioteca-kaos@riseup.net

Salve compas!

Com a intensa sensação de ânimo que nos dá a nova ocupação, abrimos já as portas do nosso novo espaço, xs convidando à abertura o domingo 2 de abril ao meio dia. Sintam-se a vontade pra trazer suas feiras e materiais. Aproveitamos este convite para mandar um salve aos compas de Tessalônica, Komotini, as okupas da Grécia, os compas do Chile, e Porto Alegre que nos fizeram chegar uma piscada solidaria no desalojo do espaço anterior.

Biblioteca Kaos

Ocupamos de novo!

A Biblioteca Kaos tem novo espaço

 

O domingo 12 de março entramos na casa da Rua Coronel João Manoel 641, antes o morro da formiga. Casa que estava abandonada faz três anos, no meio do centro histórico de Porto Alegre, e que é parte das heranças  de duas das famílias mais burguesas, donos da cidade faz séculos: Chaves Barcellos e Wallig.

Temos a absoluta certeza de que estamos incomodando os poderosos que já apareceram para nos ameaçar e muito risivelmente para nos convidar a ser parte dos seus projetos de capitalismo alternativo. Nossa resposta é uma só: somos ocupas, anarquistas, e com a burguesia não temos conversa nenhuma.

Para nossa surpresa e alegria, a vizinhança apoia   totalmente a ocupação porque vieram que poucas pessoas arrumaram um espaço que faz anos estava sem uso. A interação com eles foi uma clara atitude de solidariedade e iniciativa não só nas palavras mas sobretudo na ação, participando pouco a pouco da limpeza do lugar e apoiando com sua presença em algumas das visitas dos donos.

Depois das ameaças dos Burgueses de nos jogar pra fora com seus capangas e pitbulls, as galera das outras okupas da cidade chegaram para nos fazer sentir sua solidariedade e ajuda.

Neste momento ainda estamos na briga pelo espaço mas nossa decisão desde o início é permanecer sem negociação, nem jurídica nem verbal com os proprietários. A ocupação é uma pratica subversiva que não pode ser engolida pelas normas de propriedade imobiliária, é a resposta efetivas à acumulação absurda da terra em mão de uns poucos privilegiados. Nossa determinação diante disto é clara: casa abandonada, casa ocupada.

Mandamos nosso salve à Solidaria  que enfrentam um desalojo nestes próximos dias, compas um desalojo, outra ocupação!!! Aos compas das Okupas, na Gracia, à okupa Nadir, e CCF, compas seguimos! Às Bibliotecas Flecha Negra na Bolivia, Sacco e Vanzetti e Sebastian Oversluij no Chile, e a todos os espaços autogestionados na procura da anarquia.

 

Desde um novo espaço, aqui seguimos onde sempre estivemos: na procura da liberdade e contra toda autoridade!

Biblioteca Anárquica Kaos.

Nos próximos dias difundiremos os horários e atividades da biblioteca.

“Estou a pensar em todas as coisas que eles tem trancado para fora de mim … todas as coisas que eles roubaram de mim … todas as coisas que eles estão tentando me fazer esquecer … um sorriso , um olhar que não tropece em grades, uma noite que não termine com a fechadura… Eu paro de pensar … abro a minha mão… contemplo a grosa que estou segurando…. E agora eu sei… vamos. Mais uma vez…Nosso dia chegará.” CCF. FAI-FRI – Núcleo guerrilha urbana (Christos Tsakalos, Gerasimos Tsakalos, Giorgos Polydoros, Olga Okonomidou)

capa-nuestro-dia-llegara

Após um tempo de estar difundindo o material impresso, difundimos agora a versão digital e pra imprimir do livro Nosso Dia Chegará. Sobre a Tentativa de Fuga e a greve de fome da Conspiração das Células de Fogo.  As palavras dos compas da CCF são um sopro de força e combatividade das quais muitos de nós temos nos nutrido. Convidamos a sua difusão e leitura.

“Traduzimos o texto editado por Sin Banderas Ni Fronteras “Nuestro Dia llegará”, e apresentamos todxs os comunicados que surgiram ao longo da greve, algumas atualizações do caso, e os comunicados das ações que aconteceram neste território, controlado pelo estado brasileiro, em solidariedade com a greve de fome da Conspiração das Células de Fogo. Também incluímos no livro os comunicados que Aggeliki e Christos escreveram no começo do julgamento contra elxs, palavras dxs compas da CCF, de Spyros Mandylas, de Sin Fronteras Ni Banderas e as do site Kataklysma, todas elas especialmente enviadas para esta edição.

Temos aprendido bastante das reflexões e experiências dxs companheirxs da CCF, por isso nos parece importante hoje, traduzir suas palavras insurretas. Acreditamos que a tradução não se faz somente num aspecto “literal”, mas também, na capacidade de tornar entendível e “possível” experiências de luta armada anarquista neste território. Porque além de experiências vividas, estas linhas são um pedaço de uma trajetória anárquica, de uma coordenação internacional da qual nos sentimos parte. Se decidimos traduzir este livro é porque encaramos o diálogo com CCF e outros grupos de ação desde estas terras, como um desafio individual e coletivo. Neste sentido, as experiências de luta, os erros, as cagadas, as autocríticas assim como as ideias e projetualidades são pontos de encontros e fontes de reflexão para a intensificação do conflito anárquico.”

Conteúdo:
I. – Apresentação (5)
– Palavras de “Sin banderas, ni Fronteras” (10)
– Palavras do blog Kataklysma (15)
– Palavras da CCF-núcleo Guerrilha Urbana (17)
– Palavras da CCF (23)
– Palavras de Spyros Mandylas (25)
-Palavras de Aggeliki Spyropoulou (28)
– Prólogo. Porque a terra do cativeiro não é para nós. Conspiração das Células de Fogo (31)
II. Descobre-se o plano de fuga da Conspiração das Células de Fogo (37)
III. Xs compas declaram-se em greve de fome (65)
IV. Solidariedade na Grécia (130)
V. Solidariedade no território controlado pelo estado brasileiro (146)
VI. Palavras finais: Para que todos os meses sejam Negros… (167)

Links de descarga
Livro:
https://mega.nz/#!WdpGQI7I!PlRE0UMkNYUQvmdmiDXSKBtBN1tc035Iia0eKwhPGA0
Capa:
https://mega.nz/#!iVYzzCwR!vd0jGYDYoxPeHBfCdLZ-tiZ7ltTdXrD3Yfm_sCT_vFg

cartaz-acti-democracia-web-2Compas,

Lhes convidamos para nossa próxima atividade: “Contra a Democracia”

Em meio das eleições e protestos contra o novo governo brasileiro, nos parece pertinente questionar a democracia. Luta-se nas ruas e nas urnas por “mais direitos”, por uma “verdadeira democracia” sem questionar seu papel dominador, civilizador e opressor…

Teremos uma troca de ideia: “Porque e como atacar à democracia. Motivações e Possibilidades.

A atividade será no espaço Utopia e Luta, na escadaria da Borges de Medeiros no centro de Porto Alegre, ás 17hs na quinta 20  de outubro.

Traz tua feira de material para expor…

Recebimos no email

“Enquanto os leões não tiverem seus próprios cronistas, as histórias de caça continuaram glorificando no caçador”.

capa-s-e-v

Pomos a disposição, convidando a sua difusão, o livro “Sacco e Vanzetti. A vigência da solidariedade anarquista: das jornadas dos anos 20 à agitação permanente pelos/as anarquistas sequestrados/as hoje”, apresentado na atividade em memória de Sacco e Vanzetti e pela semana de agitação pelxs anarquistas presxs da Biblioteca Kaos.

Trata-se duma publicação feita por companheirxs, sobre companheirxs. Nela se apresentam textos traduzidos, recuperados e narrados, desde a vontade de reivindicar uma memória apagada pelos ânimos de pacificidade e de negação: a história da rebeldia e do ataque da qual foram parte Sacco e Vanzetti. Também estão incluídas as cartas enviadas pelos companheiros da CCF, Núcleo Guerrilha Urbana (Giorgos, Olga, Gerasimos e Christos) e CCF (Panagiotis, Michalis, Giorgos, Haris, Theofilos e Damiano) assim como a carta da companheira Tato do Chile, enviadas todas elas para o evento.

“Temos claro que esta publicação não se situa na prateleira dos livros de história simplesmente. É certo que destas agitações nos anos 20 de solidariedade e ação pela libertação de Sacco e Vanzetti um sem fim de lições podem ser tomadas como o claro papel da polícia, da justiça, leis, tribunais e juízes.

Ontem como hoje não são poucos/as companheiros/as que dedicam suas vidas a luta a ponta de faca, ao conflito aberto com o poder e suas lógicas, com a não conciliação com a autoridade e suas leis. Dentro da guerra social a prisão é uma realidade dura que hoje companheiros/as enfrentam com coerência, de cabeça em pé e em pé de guerra. Claudio Lavazza, Mônica Caballero, Francisco Solar, Marcos Camenish, Nicola Gai, Alfredo Cospito, Ilya Romanov, os irmãos Tsakalos e tantos/as outros/as indomáveis na Grécia, no Chile, no México …

Podemos dizer que esta publicação nasce deste chamado da vontade de manter viva uma memória de luta e coerência como a de Sacco e Vanzetti e com a viva vontade de acenar com um gesto solidário aos companheiros/as que enfrentam hoje o cativeiro.”.

Conteúdo:
– Olá
– Carta de Sacco e Vanzetti difundida nas agitações do 1º de Maio de 1923. Publicada em A Plebe
– Um olhar ao anarquismo autônomo e insurrecional na história dos Estados Unidos
– Nicola Sacco e Bartolomeu Vanzetti Memória e vigência da solidariedade ácrata
– Irreverência do tempo
– Alguns apontamentos sobre as agitações pela libertação dos anarquistas Sacco e Vanzetti em Porto Alegre e noutras cidades
– Cartas acenos e sopros

Link de descarga:
https://mega.nz/#!GIQQTZBB!ZyydOXnDfzk7_K1ynJ89MZYV85tLryvUhfOJDGVSJ6Y

Porque tudo continua…  A atividade pela semana de agitação pelxs anarquistas presxs esta vez será em outro espaço…
Convidamos a todxs a nos encontrar de novo!ATIVIDADE SEMANA Agitação

 

Apresentação do livro:

Vigência da memória e solidariedade anarquista: das jornadas dos anos 20 à agitação permanente pelos/as anarquistas sequestrados/as hoje.

Troca de ideias sobre a reivindicação anarquista diante da prisão

Faz 89 anos Sacco e Vanzetti foram assassinados por serem anarquistas e reivindicar isso com teimosia… hoje varixs compas presxs não escondem nem suavizam sua posição anarquista, mas reivindicam-na da mesma forma.

Ninguém quer estar presx e é doloroso ter umx compa sequestradx pelo estado, mas diante da repressão não tudo vale. Lembrando que cada ação e palavra vai ser significativa no momento de enfrentar uma repressão, é importante estar preparadxs ou pelo menos pensar e pôr em conflito nossas dúvidas sobre como reagir e como assumir nossa anarquia no momento de ser acusadxs por ela.

Escrita e tradução de cartas:

Para xs compas da CCF na Grecia, Tato no Chile e Fernando Barcenas no Mèxico. A escrita pode ser a qualquer compa sequestradx, porem estaremos apresentando brevemente estes três casos.

Feira de material anarquista.

A atividade acontecerá na Ocupação Pandorga: Vila Cabo Rocha (Rua Professor Freitas e Castro, 191 – Bairro Azenha)

16 horas, Sábado 27 de agosto de 2016

(as atividades são livres de álcool e fumo)

Com espaço, sem espaço… seguimos incomodando. Biblioteca Kaos

 

Galera. Companheirxs, amigxs…

Antes de tudo, estamos bem…

O dia do desalojo passou, e esperando que baixe a poeira, queremos dar um salve a todxs xs compas que estiveram com nós, que são parte da Kaos e com quem continuaremos caminhando juntxs.

Também queremos compartilhar os gestos de solidariedade que tem voado até nós nos fortalecendo nestes momentos. Nosso companheirismo anárquico vai se construindo com estes atos, com estas afinidades, e com este estar juntxs traspassando as distâncias, os idiomas e as fronteiras.

Em breve estaremos contando como foi nossa “despedida” do espaço e lhes convidando a nossa próxima atividade.

Com espaço, sem espaço, seguiremos incomodando!

Biblioteca anárquica Kaos

5 de agosto de 2016

 Heraklion, Ilha de Creta: Solidariedade incendiária com as Okupas

burnurlocalchurch

Komotini, Grécia: Afixação de cartazes e faixa em solidariedade com a Biblioteca KAOS

SOLIDARITY_KAOZ

solidarid-kaoz-e1470283677383

solidar-kaoz-e1470283148371

13900886_1222860854410927_1240306616_nk

Chile: Solidaridad con la Biblioteka Kaos de Brasil

Imagen3

Solidariedade desde Tessalônica pela biblioteca Kaos e Aggeliki Spiropoulo, recebida no email:

Φωτογραφία0055

Φωτογραφία0057

 

De algum lugar….

13880224_324486671217288_3551158372998424579_n

Next Page »